Cuidados contra o mosquito Aedes aegypti

 

 

 

Especialista da FCMSCSP alerta sobre cuidados contra o mosquito Aedes aegypti ao viajar no verão

 Professora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa de Casa de São Paulo dá dicas de como se prevenir

para evitar doenças como dengue, zika e chikungunya, seja no campo ou na praia

 

spray-repelente-de-inseto--eficacia-contra-mosquito-aedes-aegypti-100-ml_636015872547304320

 Durante a temporada de calor e chuvas, o aumento da proliferação do mosquito Aedes aegypti, transmissor de doenças como dengue, zika e chikungunya, exige atenção e cuidados redobrados. Isso porque dois fatores são propícios à proliferação do mosquito: a temperatura média de 30°C durante o verão e o acúmulo de água parada por conta das chuvas. E para quem estiver na praia ou no campo durante as férias, os cuidados com a prevenção devem permanecer.

Segundo dados do Ministério da Saúde, divulgados em dezembro do último ano, os casos de zika e dengue devem se manter estáveis este ano enquanto deve haver um crescimento significativo de casos de infecção pelo vírus chikungunya. Os casos confirmados da doença aumentaram 15 vezes de 2015 para 2016 (de 8.528 para 134.910) e os de suspeitas, quase dez vezes (de 26.763 para 251.051).

A professora do Departamento de Saúde Coletiva da FCMSCSP, Dra. Ione Aquemi Guibu, recomenda algumas medidas para quem for viajar para o campo ou para praia – ambientes em que o calor pode ser muito intenso nessa época do ano. “Podem ser usados repelentes aprovados pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e mosquiteiros. É interessante também verificar se há criadouros próximos ao local onde for ficar, atuando e orientando para a eliminação desses focos”, afirma a especialista.

Com as crianças, idosos e gestantes o cuidado precisa ser ainda mais intenso. “Nessas populações, o vírus pode evoluir para formas mais graves. Principalmente para gestantes, que devem usar roupas que diminuam a exposição da pele, com mangas mais longas e calças”, complementa a professora.

Apesar de muito semelhantes, é importante ficar atento aos sintomas de cada uma das doenças. Conheça e saiba identificar:

Dengue clássica

Os sintomas da dengue clássica são febre súbita e alta, com duração de até 7 dias, dores de cabeça, no corpo e nas articulações, atrás dos olhos, fraqueza, prostração e manchas vermelhas na pele.

Dengue hemorrágica

É uma forma mais grave, com os mesmos sintomas da clássica, porém com náuseas e vômitos, dor abdominal, diminuição da pressão arterial e tontura. As hemorragias podem ser leves (sangramentos nasais ou gengivais) ou sangramentos graves (gastrointestinal, intracraniana).

Chikungunya

Os sintomas são febre súbita e alta, cansaço, perda de apetite e do paladar, náuseas e vômitos, dores intensas nas articulações, inchaços nos membros, dor de cabeça intensa, dores nas costas, manchas vermelhas na pele e inflamação dos olhos, sem secreção e coceira.

Zika

Os sintomas são febre baixa, mal-estar, dor de cabeça leve, dores articulares e musculares, diarreia, manchas vermelhas intensas na pele, coceiras e inflamação nos olhos, sem secreção e coceira.

Sobre a Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

A Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (FCMSCSP) é uma instituição de ensino superior com mais de 50 anos de atividades. Tem como mantenedora a Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho, que também incentiva a realização ou a participação em pesquisas nos âmbitos científico e técnico e estimula, pela promoção ou participação, estudos nas áreas médica, sanitária e social. Oferece cursos de graduação em Medicina, Enfermagem e Fonoaudiologia; graduação tecnológica em Radiologia e em Sistemas Biomédicos, além de diversos cursos de pós-graduação (especialização lato sensu, mestrado ou doutorado) e pós-doutorado. Para mais informações sobre a FCMSCSP, basta acessar: www.fcmsantacasasp.edu.br.

 

 

Imagens: Internet

Uiara Zagolin

Colunista Social, Tradutora, Escritora e Designer de Joias

Facebook Twitter LinkedIn Google+ 

Author: Uiara Zagolin

Colunista Social, Tradutora, Escritora e Designer de Joias

Compartilhe este post