LIVIO ABRAMO: INSURGÊNCIA E LIRISMO

 

 

LIVIO ABRAMO: INSURGÊNCIA E LIRISMO

Com cerca de 120 obras, exposição sobre o artista plástico Livio Abramo (1903-1992), com curadoria de Paulo Herkenhoff, na Biblioteca Mário de Andrade, traça um panorama da sua inserção na modernidade do século XX e marca início das atividades do Instituto Livio Abramo (ILA)

 

cid:image008.jpg@01D24595.6836C830

Obra “Operário e Máquinas”, de Livio Abramo      

 

O crítico e cineasta Olivio Tavares de Araújo analisou as suas relações com a arte gráfica do expressionismo alemão. Mario Pedrosa, por sua vez, destacou a sua importância na modernidade emancipatória política do século XX. Aracy Amaral relembra a origem política do artista: trotskista e marginalizado pelo Partido Comunista, que defendia Portinari e Di Cavalcanti. Seja no contexto sociopolítico ou na inserção nas vanguardas modernas, a obra do gravador, ilustrador e desenhista paulista Livio Abramo (1903-1992) destaca-se pelo rigor formal, tendo a gravura como a sua autêntica linguagem de expressão.

Passados quase 25 anos da morte do artista, o Instituto Livio Abramo (ILA) abre ao público um rico acervo – grande parte pertencente à família – com cerca de 120 obras. Em cartaz do dia 07 de dezembro ao dia 16 de março de 2017, na Biblioteca Mário de Andrade (BMA), em São Paulo, a exposição Livio Abramo: insurgência e lirismo reúne linoleogravuras, xilogravuras, litogravuras, aquarelas, grafites e nanquins, além de matrizes em madeira, matrizes em linóleo, clichês de metal, croquis, estudos e provas do artista, reunindo uma produção de quase 70 anos de trabalho. O panorama com curadoria assinada por Paulo Herkenhoff destaca os territórios estéticos e conceituais do artista, sobretudo, assinalando a sua importância como gravurista.

A exposição assinala o início das atividades do Instituto Livio Abramo (ILA) com a organização e a digitalização do acervo da família pelo Programa Rumos do Itaú Cultural e propicia uma releitura de todo o conjunto da obra do artista, após uma década da última individual de Livio Abramo, realizada no Instituto Thomie Ohtake. Agora, pelo olhar curatorial de Paulo Herkenhoff, essa nova exposição objetiva rever a obra, valorizando Livio Abramo não apenas como pioneiro da xilogravura no Brasil, mas como um artista vigoroso, que dialoga com os movimentos sociais e artísticos do século XX, criando soluções formais inovadoras para responder às angústias de um homem e artista dentro do contexto histórico e social em que ele viveu.

Nesse sentido, Paulo Herkenhoff, que teve contato com Livio Abramo em Assunção (Paraguai), em pleno ano de 1968, e que depois selecionaria obras do artista para diversas exposições, realiza uma curadoria dinâmica e ousada. As escolhas de Herkenhoff permitem uma interpretação original, a partir de um diálogo com artistas do período, do contexto sociopolítico e das lutas dos movimentos sociais da época, sem perder de vista a capacidade transcendente da produção artística de Abramo, que desvela questões ainda contemporâneas.

Ao lado de originais do acervo do Instituto Livio Abramo (ILA), a mostra inclui ainda empréstimos de trabalhos de coleções de outras importantes instituições brasileiras, como o Museu de Arte do Rio (MAR) e a própria Biblioteca Mário de Andrade (BMA), assim como obras da Fundação Biblioteca Nacional. Obras de José Clemente Orozco, de Louise Bourgeois, de Rossini Perez, de Lasar Segall e de Kathe Kollwitz aparecem no programa como diálogos, convergências e rupturas entre Livio Abramo e outros expoentes de sua geração.

Além da presença das obras físicas, Livio Abramo: insurgência e lirismo conta ainda com um programa educativo, composto de mesas de debates, de palestras, de cursos de formação e da exibição de documentário inédito, que mostra o processo de trabalho do xilogravurista Rubem Grilo, que usou matrizes de oito obras de Abramo para reimpressões, que farão parte da exposição.  Ao lado de Grilo, um dos principais nomes da xilogravura na atualidade, e do curador Paulo Herkenhoff, o documentário intitulado “Livio Abramo: o profundo mistério dos horizontes inacabados” (11 minutos), produzido pelo Instituto Livio Abramo, inclui depoimentos de nomes como Frederico de Morais e Ferreira Gullar.


DA INQUIETUDE À PLÁSTICA DO MUNDO ESPIRITUAL

 

Tanto a forma quanto o conteúdo da exposição aliam o rigor do uso da gravura como linguagem com as insurgências e os lirismos, na arte e na política. Não se trata apenas de uma politização da arte, mas de agir como um precursor artístico no Brasil das teses contidas na filosofia do pensador alemão Walter Benjamin (1892-1940). A arte, como questionamento do presente ao passado, com o poder de incluir os vencidos pela história dominante: operários, ativistas da resistência espanhola, vítimas do fascismo, negros, favelados, paraguaios, os cidadãos anônimos “sem rosto e sem voz”.

Se a série “Frisos”, que retrata a tragédia moderna do homem urbano no “destino” da arquitetura da metrópole, é dedicada à cidade de São Paulo, as religiões afro-brasileiras surgem como contraste, num êxtase – longe de folclorismos – que reivindica uma plástica do mundo espiritual. Como salienta o Diretor da Biblioteca Mário de Andrade (BMA), Luiz Armando Bagolin: “A concepção da mostra sobre a importância da obra de Livio Abramo é consoante com a cidade de São Paulo, sua transformação contínua, seu ‘work in progress’. Na abertura, no dia 07 de dezembro, o encontro do curador Paulo Herkenhoff e um convidado desdobra-se numa série de atividades.”

Segundo Bagolin, para a Biblioteca Mário de Andrade, além de toda a importância de Livio Abramo como artista, a sua relação com o centro da cidade, como aparece na série ‘Frisos’, destaca o dinamismo defendido pela instituição. “O visitante tem à disposição, seja durante um passeio noturno pelo centro ou no intervalo do trabalho, uma biblioteca com uma exposição 24 horas que traduz essa dinâmica, também em termos de acesso à cultura e da formação de novos olhares”.

A contestação, tão atual, está consoante com a própria trajetória e a identidade artística desse filho de imigrantes italianos. Na década de 1960, afastando-se do viés oligárquico e pequeno burguês prevalecente no modernismo em São Paulo e da “fanfarra” voltada para Paris, o artista acolheu como residência o dilacerado pela Guerra da Tríplice Aliança, o Paraguai. Ali, aperfeiçoou a sua técnica de desenho e gravura, ferindo com faca ou goiva pontiaguda matrizes de madeira, metal ou pedra, segundo o curador Paulo Herkenhoff, “para abrir gravuras que expressassem a sua profunda visão da sociedade e o olhar lírico sobre o mundo”.

Como uma linguagem de expressão sem grandes atrativos comerciais e baixa margem de lucro, a xilogravura expõe, antes de qualquer corte, a relação com a matéria-prima como prenhe de possibilidades de significantes nas mãos do artista. “Antes de qualquer corte o que se tem na chapa é a absoluta escuridão. O corte pelo artista fere a matéria e instaura a luz, sendo, pois, a própria hipótese do olhar e da arte. Essa visão primal da imagem surgente é o tesouro do xilógrafo e a base de sua ética da linguagem”, conta o curador Paulo Herkenhoff, no texto do programa da exposição Livio Abramo: insurgência e lirismo.

 

SOBRE LIVIO ABRAMO

 

001.jpgLivio Abramo não é apenas, com Oswaldo Goeldi, um dos mestres clássicos da moderna gravura brasileira. Devido à sua inquietação, à sua atividade e à sua inovação permanente, ao longo da sua trajetória, ele sempre foi moderno e meticuloso com a sua produção artística. A história da sua carreira é uma expressão do conturbado século XX, em que uma vida de militância política e social, atravessada por uma visão humanista do mundo, conviveu com a consciência aguda das exigências e da necessidade do domínio técnico na exploração das possibilidades da gravura em madeira, a luta por um refinamento artesanal nas texturas e pela virtuosidade da sua expressão artística.

Autodidata em gravura, Livio Abramo também foi ilustrador, desenhista e militante político. Nascido em Araraquara, no interior paulista, em 1903, o artista foi muito influenciado pela fase antropofágica de Tarsila do Amaral. Premiado como o melhor gravador nacional na 2ª Bienal Internacional de São Paulo em 1953, deu aulas de xilogravura na Escola de Artesanato do Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM/SP), fundou com Maria Bonomi o Estúdio Gravura em 1960 e foi convidado pelo Itamaraty a integrar em 1962 uma missão cultural no Paraguai, onde fundou o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico daquele país. Com a sua capacidade criadora, de forma silenciosa e seguindo a tradição do artista artesão, Livio Abramo buscou concentrar em cada nova etapa da sua longa trajetória os desafios de expressar de forma sintética o sentido do homem na história, com lirismo, força e delicadeza, o que dota as suas gravuras de uma dimensão espiritual.

 

SOBRE O CURADOR

Paulo Herkenhoff – Teve contato com Livio Abramo em Assunção em 1968, cuja obra conhecia porque os seus pais já tinham uma gravura do artista. No exercício do cargo de Diretor do Instituto Nacional de Artes Plásticas, promoveu uma homenagem a Livio Abramo pelos seus 75 anos, ocasião em que reuniu xilogravadores de todo o Brasil.

Incluiu a obra de Livio Abramo em diversas exposições e adquiriu as suas gravuras para o acervo do Museu de Arte do Rio (MAR), do qual foi Diretor Cultural. Dirigiu o Museu de Belas Artes do Rio de Janeiro (2003-2006) e foi curador adjunto no departamento de pintura e escultura do Museu de Arte Moderna de Nova York – MoMA (1999-2002), curador geral da 24ª Bienal de São Paulo (1997 e 1999) e curador da Fundação Eva Klabin Rapaport.

 

SOBRE O INSTITUTO LIVIO ABRAMO (ILA)

O Instituto Livio Abramo é uma associação sem fins lucrativos que tem como objetivo recuperar, preservar e difundir o acervo e a obra do artista. Em parceria com os herdeiros, a instituição foi criada em 2014 para gerenciar a coleção de trabalhos de Livio Abramo, composta por material que já se encontrava no Brasil, e para trazer parte do acervo documental que estava no Paraguai. Pertencem a esse conjunto não só gravuras, desenhos e aquarelas, mas também as matrizes das gravuras, muitos esboços, estudos, experiências com técnicas de gravação, caricaturas e charges dos jornais em que Livio Abramo trabalhou. Também há registros escritos por ele sobre a sua arte e sobre a pedagogia do ensino da xilogravura, que constituem um material único na compreensão do caminho percorrido pelo artista no seu processo criativo e como mestre formador.

Contemplado pelo Programa Rumos do Itaú Cultural, o Instituto Livio Abramo vem implementando o primeiro estágio de um plano maior de recuperação material e artística de Livio Abramo, resgatando a sua importância, tanto como criador quanto como mestre e formador de muitos outros artistas plásticos no Brasil e na América Latina. Como Diretor Presidente do instituto, encontra-se Pedro Abramo. 

Pedro Abramo é professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), pesquisador nível 1 A do CNPq, Visiting Schollar em Universidades dos USA, Europa e America Latina. Publicou mais de  uma dezena de livros no Brasil, na América Latina e na Europa e Premio Milton Santos e de Política Urbana da ANPUR, premio de melhor livro de economia pela ANPEC e premio de livro da XX Bienal Pan-americana de arquitetura e urbanismo de Quito.

Na Diretoria Executiva do Instituto está Luis Abramo. Diretor de Fotografia de aproximadamente 30 filmes de longa-metragem. Ganhou os prêmios de melhor fotografia no Festival de Cinema de Recife em 2014, com o longa-metragem “Romance Policial”; de melhor fotografia no Festival de Cinema de Gramado em 2010, com o filme “Não se Pode Viver sem Amor”; e de melhor fotografia de longa-metragem com “Fronteiras” no Festival do Paraná de Cinema Latino e Brasileiro.

 

SERVIÇO

Exposição Livio Abramo: insurgência e lirismo

Biblioteca Mário de Andrade (BMA)

Período: Do dia 07 de dezembro de 2016 ao dia 16 de março de 2017 devido às festas de fim de ano, a Biblioteca Mário de Andrade permanece fechada do dia 16 de dezembro ao dia 05 de janeiro

Endereço: Rua da Consolação, 94, Centro, São Paulo – SP

Telefone: (11) 3775-0002

Vernissage: 07 de dezembro de 2016, às 19 horas, com a participação do curador Paulo Herkenhoff e convidado

Horário de Visitação: 24 horas

Oficinas: 16, 23 e 30 de novembro e 08 de dezembro, das 14 às 17 horas

Mais informações: www.bma.sp.gov.br

 

PROGRAMA DE FORMAÇÃO EDUCATIVA

Além da exposição, que fica em cartaz até 16 de março de 2017, a retrospectiva da obra de Livio Abramo, conta com uma programação educativa, como mesas de debates, cursos e palestras, fruto de uma parceria entre o Instituto Livio Abramo (ILA) e a Biblioteca Mário de Andrade (BMA).

De novembro a dezembro de 2016, o Instituto Livio Abramo oferece oficinas intensivas, ministradas por Leno Veras, de formação,sobre o processo de concepção e execução de uma mostra. As próximas serão sobre montagem expográfica (30/11) e mediação educativa 08/12. O objetivo do programa é possibilitar a imersão de profissionais de diversas áreas do conhecimento, provenientes de equipes formativas de distintas instituições culturais, museais e educacionais, na experimentação de linguagens numa exposição.

Com validação da Fundação Nacional de Artes (Funarte), órgão vinculado ao Ministério da Cultura (MinC), do governo federal e da Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo (SMC-SP), a atividade oferecida pelo Instituto Livio Abramo propõe teoria e prática, com o intuito de buscar possibilidades expositivas em instituições museológicas, a partir de uma imersão nos dias 16, 23 e 30 de novembro e 08 de dezembro, das 14 às 17 horas, na Biblioteca Mário de Andrade (BMA).

 

Programação:

Pesquisa em Acervo  realizada em 16/11

Escrita Curatorial (23/11)

A segunda fase das atividades formativas será realizada ao instalar-se o texto de apresentação da mostra, a partir do qual serão discutidos a comunicação da tese da exposição e a estruturação de sua argumentação crítica.

Montagem Expográfica  (30/11)

O terceiro estágio da proposição experimental será efetivado no âmbito da montagem da mostra, por meio da qual incursionaremos nas linguagens formais e técnicas produtivas que compõem o fazer expográfico.

Mediação Educativa 08/12

A última parte da capacitação profissional se dará após a abertura da exposição, em visita mediada pelo conjunto da obra, debatendo sobre formação de públicos, práticas educativas e processos formativos, como meios de educação patrimonial.

Uiara Zagolin

Colunista Social, Tradutora, Escritora e Designer de Joias

Facebook Twitter LinkedIn Google+ 

Author: Uiara Zagolin

Colunista Social, Tradutora, Escritora e Designer de Joias

Compartilhe este post